Obra de Patrícia Amato – “A Leveza que Salvou o Deserto”

Quando Pintei “A Leveza que Salvou o Deserto”, estava numa fase de libertação de amarras. E de alguma forma, consciente ou não, eu buscava essa leveza que me salvaria de uma aridez escaldante e me trouxesse um pouco de frescor.

No caso da tela, o frescor é representado pela água que brota do chão. Na verdade, a água estoura do chão ao sentir a chegada da transformação (borboleta) que vem de leve, trazendo uma árvore alada (mais frescor) e acompanhada pela singeleza quase infantil de dois balões de festa – que trazem brincos de princesa. Era tudo o que uma pessoa que enfrentava “dureza árida” na vida precisava receber para sair do deserto. Um pouco de de transformação lúdica, fresca e suave.

E assim aconteceu muitas vezes comigo e com outras Obras. Acredito que com outros Artistas não seja diferente. No fundo eu penso que todas as Obras são um auto retrato dos Artistas que as conceberam. Pois elas trazem sim um pouco ou muito de nós. Seja nas cores, na mensagem que optamos por passar, nas cores que refletem nosso humor.

Hoje, tenho minha linha contemporânea, que passa a mensagem de conservação ambiental. Mas mesmo as obras desta linha, retratam a mim mesma. Estou acabando uma grande tela de 1mx1m, que em breve mostrarei aqui. Teoricamente foi feita passando a mensagem sobre restos de uma vegetação queimada.Olhei e era eu,me reconheci naquela planta queimada, depois de uma recente experiência infeliz.

Gostaria de saber de vocês amigos Artistas. Qual Obra sua reflete mais você mesmo? Envie para cá e terei prazer em postar! Pode ser no meu facebook ou no email patriciaamatobl@gmail.com

Quero muito ver! Boas Artes!

 

Anúncios